Pular para o conteúdo principal

DAVID BOWIE : MORRE UM GRANDE MESTRE NA ARTE DE FAZER MÚSICA E INVENTAR MODA

David Bowie, um mestre na música e no estilo (Foto: Reprodução/vam.ac.uk)
Nesta segunda-feira (11), David Bowie se despediu deste mundo deixando 25 álbuns de estúdio lançados. Muito além de uma carreira bem consolidada que garantiu ao britânico um dos postos de ícone na história da música, o artista também tem lugar garantido no hall da fama dos homens mais estilosos de todos os tempos. Confira alguns dos visuais mais marcantes de Bowie ao longo das décadas:

Tudo começa com David Jones

David Jones, em 1964: artista gravou sob o nome de batismo antes de adotar o nome David Bowie (Foto: Getty Images)
O visual com cabelos compridos era usado por David Bowie no início da carreira, ainda nos anos 1960, quando ainda assinava suas músicas como David Jones - seu nome de batismo.

Bowie andrógino

O cantor em uma de suas produções andróginas para a produção do CD 'Hunky Dory' (Foto: Divulgação)
A onda gender bender já agradava Bowie muito antes de virar tendência na moda mundial. O cantor costumava dar as caras no início da década de 1970 usando produções andróginas por meio de calças amplas, cabelos compridos e camisas que flertavam com o estilo feminino.

Ziggy Stardust

Bowie como Ziggy Stardust na década de 1950 (Foto: Getty Images)
O homem de marte. Em 1972 surgia o alterego de Bowie, Ziggy Stardust, uma espécie de mensageiro de seres extraterrestres em forma de rockstar criado para marcar o lançamento do quinto álbum do cantor - The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars. No guarda-roupa, cores vivas, referências ao universo pop e ao estilo especial, botas de cano alto e muito glitter, além do icônico corte mullet e do raio no rosto.

Do Japão para o mundo

David Bowie usando um dos quimonos futuristas de Kansai Yamamoto (Foto: Reprodução/vam.ac.uk)
Em meio às aparições como homem do espaço, o britânico engatou a turnê The Ziggy Stardust Tour entre 1972 e 1973. Os shows serviram de palco para outro dos looks icônicos de Bowie: o quimono futurista criado pelo estilista japonês Kansai Yamamoto.

Pirata do futuro

O tapa-olho, uma das marcas registradas do britânico (Foto: Reprodução/vogue.co.uk)
Em 1974 Bowie ainda continuava com as roupas justas típicas de Ziggy Stardust. Mas este ano também contou com o lançamento de outro acessório que viraria marca registrada do cantor: o tapa-olho, contribuindo para as produções estilo "pirata do futuro".

Menos Stardust, mais alfaitaria

David Bowie em sua primeira fase alfaiataria (Foto: Getty Images)
Com a década de 1970 chegando ao fim, David Bowie superou o sucesso global de Ziggy Stardust e assumiu uma nova imagem, mais próxima da alfaiataria. Entraram em cena blazers e calças, muitas delas oversized combinadas com gravatas estampadas e chapéus.


A extravagância dos anos 1980

Um dos momentos da turnê 'Serious Moonlight' (Foto: Divulgação)
Nos anos 1980, Bowie apresentou uma das suas turnês mais longas - a Serious Moonlight. A fase rendeu looks típicos da década, como os costumes com ombros em evidência, os suspensórios e as roupas com formas mais amplas.

Britânico no sangue e no estilo

Capa do CD Earthling (Foto: Divulgação)
Bowie juntou-se ao estilista Alexander McQueen para desenvolver o guarda-roupa de uma de suas turnês na metade da década de 1990. O estilista também foi o responsável pela criação do icônico casaco com as bandeira do Reino Unido usado pelo cantor na capa do CD Earthling, de 1997.
David Bowie: 50 anos de estilo em um gif (Foto: Reprodução/ Helen Green)

Livro analisa transformação de David Bowie música a música

03/11/2014 

"David Bowie e os Anos 70 - O Homem que Vendeu o Mundo" cruza músicas com acontecimentos da época para analisar criatividade do britânico

 David Bowie (Foto: Getty Images)


O título de "camaleão" nunca pareceu tão propício a David Bowie. Depois de exposição e documentário em sua homenagem, agora chega ao Brasil o livro David Bowie e os Anos 70 - O Homem que Vendeu o Mundo, que aborda uma das fases mais produtivas do músico britânico.
 

Capa de "David Bowie e os Anos 70 - O Homem que Vendeu o Mundo" (Foto: Divulgação)
O autor Peter Doggett faz uma análise detalhada do processo criativo de Bowie, música a música, levando em consideração letra, musicalidade e momento histórico. Lado a lado, encontram-se textos sobre assuntos que influenciaram o cantor.

Com organização cronológica, é possível identificar a transformação do músico. O livro começa em Space Oddity (1969) e termina em 1980, com o lançamento de Scary Monsters. Neste meio tempo, Doggett destaca a influência de Andy Warhol, Iggy Pop e Lou Reed no dia a dia do britânico. Depois, passa pela fase da criação de Ziggy Stardust, o alienígena que consagrou Bowie, até a fase final, onde aparece mais depressivo e de cara lavada.

Publicado pela editora Nossa Cultura, David Bowie e os Anos 70 - O Homem que Vendeu o Mundo 


David Bowie foi eleito o britânico mais bem vestido da história

16/10/2013 - 20h34

Eleição da BBC colocou o músico à frente de toda a realeza britânica

David Bowie em seu último concerto como Ziggy Stardust, em 1973 (Foto: Getty Images)

A revista de história da emissora BBC elegeu as dez personalidades britânicas mais bem vestidas de todos os tempos. E o vencedor é David Bowie, o camaleão musical de 66 anos que já passou por várias fases de estilo diferentes, desde o glitter dos anos 70 até a elegância contemporânea. 

O músico ficou à frente da rainha Elizabeth I, em segundo lugar, e de Georgiana Cavedish, duquesa de Devonshire, famosa no século 18 pela beleza e pela qualidades de suas roupas, consideradas as melhores daquela época. 

Outro destaque da lista é George "Beau" Brummell, pioneiro da moda masculina na virada do século 18 para o 19. Brummel ajudou a estabelecer o código de vestuário para homens, trocando os ornamentos exagerados por roupas feitas sob medida, mais ajustadas ao corpo. Historiadores contam que ele demorava cinco horas para se vestir todos os dias. 
Figurino do cantor na mostra "David Bowie is" no museu Victoria & Albert (Foto: Getty Images)

Já David Bowie causou enorme impacto na cultura pop com as roupas quase fantasiosas e sexualmente ambíguas com que se apresentava na década de 70, quando incorporou o personagem Ziggy Stardust. A década seguinte viu o músico se tornar uma das encarnações do visual yuppie, com ternos bem cortados, rosto limpo e topete com gel da fase do disco Let's Dance.

A ousadia voltou com força nos anos 90, e evoluiria no início do novo século para um estilo mais sóbrio e minimalista, com pitadas de visionarismo. Pela enorme capacidade de se reinventar, lançar tendências e influenciar seu público, a escolha parece bem acertada.  
David Bowie durante um show em 2012 (Foto: Getty Images)

"Bowie teve que deixar para trás um rei, duas rainhas e um peso-pesado da política para vencer nossa eleição. Sua importância é enorme para a moda do século 20 e também a do século 21", diz Rob Attar, editor da revista. 

Fonte:http://gq.globo.com/Cultura/Musica/noticia/2016/01/david-bowie-um-mestre-na-arte-de-fazer-musica-e-inventar-moda.html

Postagens mais visitadas deste blog

PINK FLOYD LANÇA MAIS UM CLIP INÉDITO COM IMAGENS RARAS

Pink Floyd lança mais um clipe inédito com imagens raras para divulgar box especial com mais de 130 faixas; veja 'Green is the Colour'Coletânea que vai revisitar os sucessos dos sete primeiros anos da carreira da banda27/10/2016 - 17:13
Mais um, mais um, mais um! Até o dia 11 de novembro, data de lançamento do box "The Early Years, 1965 - 1972", os fãs do Pink Floyd vão ganhando aperitivos do que vem por aí na coletânea especial que vai relembrar os primeiros anos da banda. Nesta quinta-feira (27), o grupo lançou mais um clipe inédito e a faixa escolhida foi "Green is the Colour", lançada originalmente em 1969. Dá uma olhada:

O clipe mistura imagens de uma praia deserta com as da banda se apresentando no festival Pop Deux, em Saint Tropez, na França, no dia 8 de agosto de 1970. Na época, o hit bombava depois de fazer parte da trilha sonora do filme "More", de Barbet Schroeder.

Esse é o terceiro remix que o Pink Floyd libera pra divulgar o projeto. No…

BOB DYLAN : FORNECER A MEUS PENSAMENTOS FECHADOS UMA CORRENTE DE AR FRESCO...

Bob Dylan: Fornecer a meus pensamentos fechados uma corrente de ar fresco..pensando pensamentos que não foram pensados ..então juntem-se todos, procuradores gerais o mundo não passa de um tribunal,sim, mas conheço os acusados melhor que vocês e enquanto vocês se ocupam em julgá-los nós nos ocupamos em assobiar limpamos a sala de audiência varrendo varrendo escutando escutando piscando os olhos entre nós, atenção, atenção sua hora há de chagar.Publicado porlaboratoriodesensibilidades em  …não, por favor, um ladrão de almas eu construí e reconstruí sobre o que está à espera pois a areia nas praias esculpe muitos castelos no que foi aberto antes de meu tempo uma palavra, uma ária, uma história, uma linha chaves no vento para minha mente fuja e fornecer a meus pensamentos fechados uma  corrente de ar fresco não é coisa minha, sentar e meditar perdendo e contemplando o tempo

ERA TUDO HEAVY METAL FAROFA

Era tudo HeavyMetal farofa
Lá pela metade dos anos 80 apareceram bandas que traziam uma nova releitura do glam-rock. Exagerando mais ainda no visual, e um som mais pesado, do que seus modelos dos anos 70, o estilo, portanto, passou a ser chamado de glam-metal.
Enquanto o New York Dolls pareciam travestis sujos e malvados e tocavam um rock and roll de garagem, a nova turma glam estava mais para boneca barbie e lavavam os cabelos com Grecin 2000 – daí o termo Hair Metal, na verdade um termo depreciativo. O pessoal do Trash Metal tachava-os de posers ou falso-metal. Bobagem! A música muitas vezes não passava de um Hard Rock pomposo, com muitas power ballads.
Por outro lado, desenvolveu-se nesse meio um outro subgênero o Pop-Metal - bandas com visual menos andrógino e com letras visando menos sexo, bebedeiras e festas. Talvez a banda que melhor traduz esse estilo seja os ingleses do Def Leppard. Eles começaram com uma pegada bem New Wave of British Heavy Metal (NWBHM), mas, aos poucos, foram…