Pular para o conteúdo principal

ELVIS PRESLEY SE TIVESSE VIVO,HOJE FARIA 80 ANOS;ENTENDA A OBRA DO REI DO ROCK

tumblr_n57whdjOT91tb9v21o1_500


Elvis Presley faria 80 anos; entenda a obra do Rei do Rock


Se estivesse vivo, Elvis Presley completaria 80 anos nesta quinta-feira (08). Para não deixar a data passar em branco, a equipe da Rádio UOL selecionou e comentou uma música para cada ano de sua carreira.
Numa jornada que vai da primeira demo em 1953 aos últimos suspiros musicais em 1977, traçamos a evolução musical do Rei do Rock. Ouça e conheça melhor não apenas seus grandes sucessos, mas também algumas das pérolas subestimadas de uma obra que atravessou 24 anos.

Elvis-Presley

ANOS 50:
1953 – That's When Your Heartaches Begin
Aos 18 anos, em agosto de 1953, o futuro rei do rock entrava num estúdio pela primeira vez. Pagou do próprio bolso a gravação de duas baladas, “My Happiness'' e “That's When Your Heart'' num disco de acetato para presentear a mãe. A segunda música foi escolhida por ter sido regravada e tocada ao vivo por Elvis até o final de sua carreira.

1954 – That’s All Right
“Se encontrasse um branco com o som e o sentimento de um negro eu ganharia um bilhão de dólares'', costumava dizer Sam Phillips, produtor e dono dos estúdios da Sun Records. Um belo dia, em julho de 54 sua secretária sugeriu que fizessem um teste com aquele jovem cantor de baladas que havia passado por lá um ano antes.
Num intervalo da sessão, Elvis começou a cantar de brincadeira uma versão acelerada do sucesso do bluesman Arthur Crudup “That's All Right''. O guitarrista Scotty Moore criou na hora um arranjo misturando country e blues, o baixista Bill Black estapeou seu instrumento como se fosse uma bateria e Phillips percebeu que havia encontrado seu “bilhão de dólares''. Desta fusão multi-racial nascia um novo gênero, o rockabilly.

giphy
1955 – Mystery Train
Cerca de um ano depois do primeiro compacto, Elvis conseguia seu primeiro sucesso nacional com a balada country “I Forgot To Remember To Forget''. O lado B do disco, no entanto, é uma das grandes preciosidades de sua carreira. Se “That's All Right'' inaugurara o rockabilly, em “Mystery Train'' o gênero chegava à perfeição.

1956 – Heartbreak Hotel
Consagrado no sul do país como artista independente, Elvis começou a ser sondado pelas grandes gravadoras. A RCA ganhou o leilão, oferecendo $40 mil dólares pelo passe. Era menos do que o bilhão sonhado por Sam Phillips, mas ainda assim um recorde para um artista novo na época. O primeiro single foi “Heatbreak Hotel'', um misterioso blues que soava diferente de qualquer coisa já feita antes, chegou ao número 1 e coroou o rei do rock.

1957 – All Shook Up
Número 1 em abril de 57, “All Shook Up'' marca a virada estilística do rockabilly cru e direto da primeira fase para o rock and roll/rhythm and blues mais trabalhado que marcaria os anos seguintes. É notório que Elvis nunca compôs quase nada, apesar de ser creditado em várias canções. Neste caso no entanto o crédito é justo: ele pensou no título após ter um pesadelo e acordar “todo chacoalhado'' (tradução livre para a expressão “all shook up'') e sugeriu a idéia ao compositor Otis Blackwell.

1958 – Trouble
Os três primeiros filmes de Elvis, “Love Me Tender'', “Loving You'' e “Jailhouse Rock'' não foram particularmente marcantes no aspecto cinematográfico. Já o terceiro, o drama musical “King Creole'', filmado e passado em New Orleans é considerado por muita gente o melhor de sua carreira. A trilha também não deixa a desejar, destacando este blues que remete aos bordéis da capital do jazz.

1959 – A Big Hunk o’ Love
Gravada na única sessão realizada durante os dois anos de serviço militar de Elvis, este eletrizante número 1 de 1959 marca o fim da era original do rock and roll. O Rei do Rock logo voltaria à vida civil, mas sua produção tomaria um rumo bem menos transgressor.

tumblr_mrmrn1PV5O1sdfgz3o1_500
ANOS 60:
1960 – It’s Now Or Never
Ao voltar do exército em 1960, Elvis se deparou com um cenário musical completamente diferente. O rock, ao menos em sua encarnação original turbulenta e radical, havia sumido do mapa. Seus maiores ídolos pareciam ter sido sofrido uma maldição: enquanto o Rei servia, Jery Lee Lewis caiu em desgraça moral, Chuck Berry foi preso, Little Richard se tornou pastor evangélico e Buddy Holly morreu.
A saída foi tentar se reinventar como artista adulto e respeitável com canções como''It's Now Or Never'' – versão do standard italiano “Oh Sole Mio'' e se focar nos filmes, produzidos em série e, na maioria dos casos, de qualidade duvidosa.

1961 – I Can’t Help Falling in Love With You
Uma das mais belas e reconhecidas baladas de Elvis, foi gravada para a trilha sonora do filme Blue Hawaii (Feitiço Havaiano), seu disco mais vendido nos anos 60. Nos 70, o Rei também criou a tradição de encerrar com ela todas as suas apresentações ao vivo.

1962 – Return To Sender
Maldita pelos críticos e subestimada por muitos fãs, a fase pop do Rei do Rock no início da década de 60 esconde várias pepitas. “Return To Sender'' é uma delas, com ritmo e refrão contagiantes que deixam clara a influência do ícone do rhythm & blues Jackie Wilson, um dos cantores favoritos de Elvis.

1963 – (You’re The) Devil in Disguise
Outra pepita da mesma fase, “(You're The) Devil in Disguise'' foi a última canção de Elvis a chegar ao top 10 nas paradas rhythm & blues norte-americanas. Assim como a letra fala de uma garota diabólica que se faz de santa, o ar sentimental na par principal da música esconde um refrão eletrizante.

1
1964 – Viva Las Vegas
Música tema no filme homônimo de 64, considerado um dos melhores de sua carreira, a canção retrata a loucura e a diversão nos cassinos de Las Vegas, se tornando um dos hinos não oficiais da cidade. A base instrumental e a produção também estão entre os grandes momentos de Elvis na década de 60.

1965 – Crying in the Chapel
Focado nos filmes e tendo que competir com a “invasão britânica'' liderada pelos Beatles e Rolling Stones, Elvis chegou à metade da década de 60 desmoralizado. Quase sem produzir e encarando uma das fases mais difíceis de sua carreira, teve que recorrer a uma gravação gospel de 5 anos antes para conseguir voltar ao top 10.

1966 – Spinout
Os filmes de Elvis nos anos 60 eram em geral bregas e pouco memoráveis, mas as trilhas escondiam grandes momentos. Uma paulada do mais puro e legítimo rhythm & blues sessentista, a faixa título de “Spinout'' é um deles. Se na década anterior Memphis havia sido a terra natal do rockabilly, a cidade agora era sinônimo da soul music áspera e agitada do selo Stax. O Rei não só aprovou, como incorporou o estilo com força total dali em diante.

1967 – Big Boss Man
Elvis começou sua carreira reinterpretando clássicos do blues em versões energizadas. É o que ele faz aqui com esta canção de um de seus ídolos, Jimmy Reed. Ainda amargando as vacas magras na área musical, a canção foi seu maior sucesso em 67 mas não passou do 38º lugar.

1968 – If I Can Dream
Tema final do especial televisivo apelidado de “68 Comeback Special'' que marcou ao mesmo tempo a volta de Elvis às origens e sua renovação musical. Com uma das letras mais fortes de sua carreira somada a sua emotiva interpretação, esta balada épica de protesto é uma das representações mais fortes de uma época marcada pelos protestos por direitos civis e contra a Guerra do Vietnã.

1969 – Suspicious Minds
Revitalizado com o especial de TV do ano anterior, o Rei do Rock estava pronto para voltar ao trono. Ainda faltava, no entanto uma grande canção. Eis que surge “Suspicious Minds''. Com ajuda do lendário produtor Chips Moman, Elvis criou uma sonoridade que marcaria o resto de sua carreira, misturando soul, country e rock and roll e conseguiu seu primeiro número 1 desde 1962.

71r9sx.jpg
ANOS 70:
1970 – Bridge Over Trouble Water
Nesta versão da trilha sonora do documentário “That’s the Way It Is”, a voz de Elvis transforma a balada folk de Simon & Garfunkel em uma das suas maiores interpretações nos anos 70.

1971 – Merry Christmas, Baby
Dá para sensualizar com o natal? Se você for Elvis Presley, dá e sobra.

1972 – Burning Love
Mais uma prova de que o caldeirão multicultural de soul, country e rock iniciado com “Suspicious Minds'' era a nova cara de Elvis, esta composição do mestre do R&B sulista Arthur Alexander chegou ao segundo lugar, se tornando a última canção do Rei a atingir o top 10 nas paradas pop da revista Billboard.

1973 – An American Trilogy
Elvis já havia sido o transgressor do rockabilly, o queridinho da América, o astro de filmes bobos, e o Rei do Rock renascido. Agora, assumia sua última identidade: o entertainer, liderando com sua capa branca encrustada de brilhantes uma enorme banda em temporadas em Las Vegas e grandiosos shows como o do especial de TV “Aloha From Hawaii''.
A “Trilogia Americana'' – uma espécie de resumo musical épico da história do sul dos EUA era ponto alto das apresentações desta fase. Para alguns, exagero kitsch, para outros, autênticas emoções à flor da pele.

tumblr_n57whdjOT91tb9v21o1_500
1974 – Promised Land
Elvis recorreu a um cover de outro arquiteto do estilo, Chuck Berry para gravar o que talvez tenha sido seu último grande rock and roll. Seguindo por outro ângulo a mesma temática patriótica da canção anterior, a letra narra uma viagem de carro de costa a costa através dos Estados Unidos.

1975 – Green, Green Grass of Home
Neste clássico da música country eternizado nos anos 60 por Tom Jones, Elvis carimba uma das suas grandes características musicais dos anos 70: a de regravar hits já consagrados, mas com arranjos e interpretações grandiloquentes.

1976 – Moody Blue
Do mesmo compositor de “Suspicious Minds”, Mark Davis, essa canção country se tornou a última música de Elvis a alcançar o primeiro lugar da parada da Billboard norte-americana e também foi o seu último sucesso em vida.

1977 – Unchained Melody
Incluída posteriormente no álbum Moody Blue, esta versão ao vivo do sucesso imortalizado pelos Righteous Brothers foi gravada numa das últimas apresentações ao vivo do Rei. Emocionante, mostra um Elvis perceptivelmente debilitado ao piano, mas com uma força vocal que contrasta com sua situação física. Uma tocante despedida.



Texto por Pedro Carvalho
Djeferson Barbosa
Marina Tonelli



Fonte:http://radiouol.blogosfera.uol.com.br/2015/01/08/rei-do-rock-elvis-presley-faria-80-anos/

77_1jpg

Postagens mais visitadas deste blog

AS GRANDES PARCERIAS DE JOHN LENNON NO "ALÉM-BEATLES"

As grandes parcerias de John Lennon no “além-Beatles”Como compositor, John Lennon levou Elton John e David Bowie ao topo das paradas. Como músico, ele conseguiu se entrosar com Frank Zappa e Chuck Berry, e “brincou” de supergrupo com Eric Clapton, Keith Richards e Mitch Mitchell. Na conta de encontros musicais “além-Beatles” de Lennon ainda consta o baterista do Yes Alan White e a eterna companheira, musa e parceira de composição Yoko Ono. A seguir, conheça as grandes colaborações de Lennon ao se excetuar o trabalho dele nos Beatles.

Por Lucas Brêda
As grandes parcerias de John Lennon no “além-Beatles” Yoko Ono

A mais frutífera parceria de John Lennon depois de Paul McCartney é também a mais polêmica delas. Detestada por ex-integrantes, produtores e engenheiros de som dos Beatles (e basicamente boa parte do resto do mundo), Yoko Ono não só deu nome à principal banda que acompanhou Lennon em carreira solo (a Plastic Ono Band) como dividiu a autoria de canções como “Oh My Love” (Imagine), “…

PAUL MCCARTNEY : O MAIOR POPSTAR DO MUNDO

Foto de divulgação

Paul McCartney: o maior popstar do mundo

A maior noção da história do rock é a de que “tudo começou com Elvis” (Presley). Primeiro ídolo e pai do rock’n’roll, Elvis ficou para a história mais pelo ícone que representa do que pela música em si. Apaixonados por Elvis, como todos que começaram a fazer música estimulados pelo nascimento do rock’n’roll, os Beatles tornaram-se mito ainda nos anos 1960 – com seu denso trabalho autoral, numa discografia consideravelmente longa para seus meros oito anos de atividade no mercado fonográfico.

Se John Lennon era a alma dos Beatles, Paul McCartney era a música. E é com isso que há quase 50 anos o inglês James Paul McCartney encanta platéias mundo afora. Considerado o mais musical dos Beatles, e o mais melodioso da dupla Lennon & McCartney, Paul é responsável por inúmeras das maiores pérolas da banda. Em brilhante carreira solo há exatos 40 anos, desde o fim dos Beatles, Paul acumula extensa discografia – que inclui todos os dis…

24 ÁLBUNS PRA MANJAR MAIS QUE O SUFICIENTE SOBRE POST-ROCK

24 álbuns pra manjar mais que o suficiente sobre post-rockTudo o que era pra ser rock, mas não é
A história do gênero começou entre o finalzinho dos anos 80 e começo dos anos 90 e, como qualquer estilo, teve altos e baixos. De um tempo pra cá, no entanto, voltou a pipocar nos fones alheios, principalmente por causa de serviços como o Spotify, que disponibilizou várias playlists de post-rock. Meus amigos, por exemplo, adoram ouvir o som enquanto trabalham, embora não saibam exatamente o que estão ouvindo. Devo ter deixado, por descuido e não por maldade, alguns nomes importantes fora da lista. IsisMONO65daysofstatic e outros tantos. Por isso convido você a acrescentar outras bandas nos comentários. Com certeza será bem enriquecedor pra mim e para os outros leitores. Comecemos então definindo o que é post-rockO termo foi utilizado pela primeira vez em março 1994, batizado pelo jornalista Simon Reynolds, na resenha do álbum Hex, da banda Bark Psychosis, para a revista britânica Mojo. Doi…