Pular para o conteúdo principal

JOHN LENNON & YOKO ONO : SOMOS UM SÓ

John Lennon Yoko Ono

John Lennon & Yoko Ono: somos só um

Conheceram-se em Londres nos anos 60, onde se apaixonaram. John divorciou-se da primeira mulher por causa de Yoko. John enfrentou os restantes membros da banda por causa de Yoko .Uniram-se na música, na arte, na política e nas lutas socioculturais. Deram a cara e a voz por causas humanitárias. Pousaram nús. Juntos, unidos num só até que uma bala os separou.



John Lennon Yoko Ono 
.
"Yes". Foi com esta palavra que John Lennon, membro da intemporal banda "The Beatles", se encantou não só pelo trabalho como pela própria Yoko Ono. Decorria o ano de 1966 quando a galeria Indica em Londres apresentava uma exposição da artista plástica japonesa.
Numa das obras, ao subir as escadas, encontrava-se uma lupa por cima da palavra. Quanto mais se avançava mais nítida ela ficava. Aquilo era tudo de que John precisava naquele momento, segundo palavras suas. "Ela podia ter escrito qualquer coisa; guerra, sexo, morte. Mas ela escreveu sim."
Em 1968, produziram o primeiro trabalho em conjunto. Um álbum experimental que marca também a primeira polémica do futuro casal. "Unfinished Music No.1: Two Virgins", apresentava John e Yoko nus na capa e na contracapa.
John Lennon Yoko Ono
A relação amorosa entre ambos inicia-se pouco tempo depois, fazendo com que Cynthia Powell, mulher de John na altura, pedisse o divórcio. Com a separação, Yoko e Lennon casam, um ano depois, numa cerimónia privada no estreito de Gibraltar. A lua-de-mel, passada em Amesterdão, serve de pretexto para várias fotografias. "Ben in" ou "John e Yoko na cama pela paz", pretendiam divulgar um dos eventos pelos quais deram a cara.
A banda, que já passava por alguns momentos de desentendimento, não viu com bons olhos esta aliança. Os restantes elementos não gostavam de Yoko nem da sua presença nos ensaios e nas gravações. A imprensa e as fãs acusavam-na de querer destruir os Beatles, para além de criticarem John por ter escolhido uma mulher tão feia e antipática. "Nós somos uma pessoa só" foi a declaração que John fez, reafirmando o amor entre ambos.
Em 1970, Lennon abandona o grupo e este termina definitivamente.
John Lennon Yoko Ono
Com a mudança para Nova Iorque, o casal envolve-se em vários eventos políticos: lutam pela paz, pelos direitos das mulheres e protestam contra a Grã-Bretanha exigindo o fim da guerra no Vietname. Unem-se e apoiam alguns líderes e partidos de extrema-esquerda. Estas acções desencadearam novas polémicas e perseguições. O governo de Richard Nixon mostra a sua insatisfação ao casal: a imigração decide extraditar John dos Estados Unidos por três anos.
Durante vários meses ficam afastados, tendo inclusive terminado o seu casamento. Mas John quer voltar à América. Inicia então um processo legal de imigração, que acaba por vencer. Volta e ambos se reconciliam. Em 1975, nasce Sean Taro Ono Lennon, o único filho do casal. É por ele que John toma a decisão de deixar a música para segundo plano. Só já perto da sua morte é que volta a cantar. Em 1980, grava "Double Fantasy" ao lado da mulher. Apenas um mês depois do seu lançamento, é assassinado por Mark David Chapman, à saída do estúdio.
Yoko ainda hoje diz que tenta diariamente superar a perda de John. E ainda hoje é apontada por inúmeros fãs como a grande responsável pela separação dos Beatles. Os seus defensores acusam as críticas de censurá-la apenas por ser oriental. Por não ter um padrão de beleza que se equiparasse à posição de ícone de John. Por ter feito com que este se distanciasse do sucesso, da fama e do glamour, para se dedicar a causas humanitárias e à vida familiar.
John Lennon Yoko Ono
Fonte das imagens: 12, 34.

Fonte:
© obvious:http://obviousmag.org/archives/2010/12/john_lennon_yoko_ono_somos_so_um.html#ixzz3DEdUkZv7 
Follow us: obviousmagazine on Facebook

Postagens mais visitadas deste blog

AS GRANDES PARCERIAS DE JOHN LENNON NO "ALÉM-BEATLES"

As grandes parcerias de John Lennon no “além-Beatles”Como compositor, John Lennon levou Elton John e David Bowie ao topo das paradas. Como músico, ele conseguiu se entrosar com Frank Zappa e Chuck Berry, e “brincou” de supergrupo com Eric Clapton, Keith Richards e Mitch Mitchell. Na conta de encontros musicais “além-Beatles” de Lennon ainda consta o baterista do Yes Alan White e a eterna companheira, musa e parceira de composição Yoko Ono. A seguir, conheça as grandes colaborações de Lennon ao se excetuar o trabalho dele nos Beatles.

Por Lucas Brêda
As grandes parcerias de John Lennon no “além-Beatles” Yoko Ono

A mais frutífera parceria de John Lennon depois de Paul McCartney é também a mais polêmica delas. Detestada por ex-integrantes, produtores e engenheiros de som dos Beatles (e basicamente boa parte do resto do mundo), Yoko Ono não só deu nome à principal banda que acompanhou Lennon em carreira solo (a Plastic Ono Band) como dividiu a autoria de canções como “Oh My Love” (Imagine), “…

PAUL MCCARTNEY : O MAIOR POPSTAR DO MUNDO

Foto de divulgação

Paul McCartney: o maior popstar do mundo

A maior noção da história do rock é a de que “tudo começou com Elvis” (Presley). Primeiro ídolo e pai do rock’n’roll, Elvis ficou para a história mais pelo ícone que representa do que pela música em si. Apaixonados por Elvis, como todos que começaram a fazer música estimulados pelo nascimento do rock’n’roll, os Beatles tornaram-se mito ainda nos anos 1960 – com seu denso trabalho autoral, numa discografia consideravelmente longa para seus meros oito anos de atividade no mercado fonográfico.

Se John Lennon era a alma dos Beatles, Paul McCartney era a música. E é com isso que há quase 50 anos o inglês James Paul McCartney encanta platéias mundo afora. Considerado o mais musical dos Beatles, e o mais melodioso da dupla Lennon & McCartney, Paul é responsável por inúmeras das maiores pérolas da banda. Em brilhante carreira solo há exatos 40 anos, desde o fim dos Beatles, Paul acumula extensa discografia – que inclui todos os dis…

24 ÁLBUNS PRA MANJAR MAIS QUE O SUFICIENTE SOBRE POST-ROCK

24 álbuns pra manjar mais que o suficiente sobre post-rockTudo o que era pra ser rock, mas não é
A história do gênero começou entre o finalzinho dos anos 80 e começo dos anos 90 e, como qualquer estilo, teve altos e baixos. De um tempo pra cá, no entanto, voltou a pipocar nos fones alheios, principalmente por causa de serviços como o Spotify, que disponibilizou várias playlists de post-rock. Meus amigos, por exemplo, adoram ouvir o som enquanto trabalham, embora não saibam exatamente o que estão ouvindo. Devo ter deixado, por descuido e não por maldade, alguns nomes importantes fora da lista. IsisMONO65daysofstatic e outros tantos. Por isso convido você a acrescentar outras bandas nos comentários. Com certeza será bem enriquecedor pra mim e para os outros leitores. Comecemos então definindo o que é post-rockO termo foi utilizado pela primeira vez em março 1994, batizado pelo jornalista Simon Reynolds, na resenha do álbum Hex, da banda Bark Psychosis, para a revista britânica Mojo. Doi…