Pular para o conteúdo principal

JAGGER 70 ANOS :FILHOS BASTARDOS,VERSÕES BRASILEIRAS

Jagger 70: filhos bastardos, versões brasileiras, bootlegs, e o amigo Marku Ribas

Vocalistas de bandas de rock britânicas, eles não são filhos legítimos do líder dos Stones, mas bem poderiam ser. Confira também versões brasileiras para clássicos dos Stones e um perfil de Marku Ribas, cantor, compositor e percussionista brasileiro que tocou com a banda e era amigo de Jagger


FILHOS BASTARDOS

Mick Jagger assoprou 70 velinhas, sexta-feira, 26 de julho de 2013. Um dos maiores ídolos e ícones do rock há mais de 50 anos, e em plena atividade, Jagger ganhou também ao longo de sua extensa carreira o status de símbolo sexual de sucessivas gerações.
Casado por duas vezes, com Bianca Jagger e Jerry Hall, Jagger teve sete filhos com quatro diferentes mulheres – entre elas, como bem sabemos, a brasileira Luciana Gimenez, mãe de Lucas Jagger, hoje com 14 anos. Mas foram as relações extra-conjugais e o assédio frequente dasgroupies que fizeram a fama de sex symbol do roqueiro setentão.
Segundo a biografia Mick: the Wild Life and Mad Genius of Jagger (algo como Mick: a Vida Selvagem e o Gênio Louco de Jagger), lançada em 2012 pelo jornalista Christopher Andersen, o esguio e lascivo líder dos Stones teria ido para a cama com mais de 4 mil mulheres. O livro (não autorizado, naturalmente) especula, inclusive, que Jagger teria se envolvido com celebridades do calibre de Angelina Jolie, Uma Thurmann e a ex-primeira dama francesa Carla Bruni.
Suposições à parte, na virada dos anos 1980 para os 90, cinco bandas de rock britânicas tinham a frente vocalistas com fisionomia muito similar – sem contar os demais trejeitos e a influência musical – à de Jagger. Saiba quem são eles (na foto, em sentido horário):
Mark Gardener – vocalista e guitarrista base do quarteto Ride, de Oxford. Com o fim do grupo, em 1996, o guitarrista solo Andy Bell integraria, depois, o Oasis, como baixista.
Ian Brown – Vocalista dos Stone Roses, banda de Manchester que misturava elementos dançantes à uma música fortemente influenciada pelo psicodelismo dos anos 1960.
Richard Aschroft – Vocalista e principal compositor do grupo Verve, que fez grande sucesso mundial com a canção Bittersweet Symphony, carro-chefe do terceiro álbum Urban Hymns.

Gaz Coombes – Vocalista e guitarrista do Supergrass, banda que surgiu como um trio, em Oxford, mas depois tornou-se um quarteto. Influenciada por bandas mod, como The Who e The Kinks, fizeram grande sucesso com a canção We’Re Allright
Tim Burgess – Líder dos Charlatans, grupo de Northwitch, com sonoridade semelhante a dos Stone Roses, mas com acento ainda mais dançante.

VERSÕES BRASILEIRAS

Inquestionável, o Rolling Stones é uma das bandas mais influentes de todos os tempos. No Brasil, o grupo liderado por Mick Jagger e Keith Richards vem inspirando músicos desde os anos 1960, como os paulistanos do The Brazilian Bitles, que transformaram o hino I Can’t Get No (Satisfaction)em Não Tem Jeito; do The Youngsters, que fizeram uma versão enérgica de I Wanna Be Your Man; e dos Os Baobás, que verteram em português o clássico psicodélico Paint It Black e deram a ele o título literal (e, inevitável dizer, capcioso) Pintada de Preto:
Ouça as músicas:
The Brazilian Bitles – Não Tem Jeito
The Youngsters – I Wanna Be Your Man
Os Baobás – Pintada de Preto

OS REIS DOS BOOTLEGS

por Gonçalo Junior
Explicam os dicionários que o termo em inglês bootleg se refere a uma gravação de áudio ou de vídeo do trabalho de um artista ou banda musical, que pode ser realizada diretamente de um concerto ou de uma transmissão via rádio/televisão e até sobras de estúdios. Um bootleg inclui, às vezes, entrevistas e materiais inéditos, descartados por serem considerados inadequados para um produto comercial, bem como passagens de som, ensaios etc. Na prática, define os discos não oficiais, publicados quase sempre de forma pirata e dirigidos principalmente aos fãs mais dedicados de artistas.
Essa condição faz com que esse mercado negro se tornasse um paraíso de aproveitadores e oportunistas que, não raro, apenas muda a foto da capa e relança o mesmo conteúdo. The Beatles foi um dos grupos de rock com mais bootlegs da história da música. Um dos primeiros discos da banda foi o Kum Back, que trazia diversas versões de músicas gravadas para o álbum Let It Bemixadas pelo engenheiro de som Glyn Johns. Na década de 1970, a indústria do bootleg expandiu-se. As gravações ao vivo, ainda que fossem as mais comuns, possuíam qualidade ruim, já que eram feitas em meio ao barulho e gritos da multidão. Outros bootlegs eram feitos diretamente da cabine de som do artista, geralmente sem o consentimento da equipe que trabalhava nos concertos. As capas dos bootlegs também tinham qualidade ruim.
Um bootleg famoso da época é The Greatest Group on Earth dos The Rolling Stones. Em parte por causa de sua longevidade e quantidade de turnês, a banda é, provavelmente, o grupo recordista de LPs, CDs e DVDs nesse formato. A maioria se limita a reproduzir shows raros, de qualidade muitas vezes ruins, sofríveis até. Por outro lado, essa deficiência se justifica a aquisição de certos tesouros. Alguns selos italianos especializados em bootlegs fazem algo muito legal: indicam no verso a qualidade do álbum por uma cotação que vai de 1 a 4 símbolos de “+”. Se são +++ ou ++++, pode comprar que o produto é bom.
Brasileiros selecionou, entre centenas de bootlegs dos Stones, treze álbuns que valem a pena procurar:


NOSSO HOMEM NOS STONES


Leia perfil do cantor, compositor e percussionista brasileiro Marku Ribas, morto em abril de 2013, que tocou com os Rolling Stones e era amigo de Mick Jagger

Fonte:http://www.revistabrasileiros.com.br/2013/07/26/jagger-70/

Postagens mais visitadas deste blog

AS GRANDES PARCERIAS DE JOHN LENNON NO "ALÉM-BEATLES"

As grandes parcerias de John Lennon no “além-Beatles”Como compositor, John Lennon levou Elton John e David Bowie ao topo das paradas. Como músico, ele conseguiu se entrosar com Frank Zappa e Chuck Berry, e “brincou” de supergrupo com Eric Clapton, Keith Richards e Mitch Mitchell. Na conta de encontros musicais “além-Beatles” de Lennon ainda consta o baterista do Yes Alan White e a eterna companheira, musa e parceira de composição Yoko Ono. A seguir, conheça as grandes colaborações de Lennon ao se excetuar o trabalho dele nos Beatles.

Por Lucas Brêda
As grandes parcerias de John Lennon no “além-Beatles” Yoko Ono

A mais frutífera parceria de John Lennon depois de Paul McCartney é também a mais polêmica delas. Detestada por ex-integrantes, produtores e engenheiros de som dos Beatles (e basicamente boa parte do resto do mundo), Yoko Ono não só deu nome à principal banda que acompanhou Lennon em carreira solo (a Plastic Ono Band) como dividiu a autoria de canções como “Oh My Love” (Imagine), “…

PAUL MCCARTNEY : O MAIOR POPSTAR DO MUNDO

Foto de divulgação

Paul McCartney: o maior popstar do mundo

A maior noção da história do rock é a de que “tudo começou com Elvis” (Presley). Primeiro ídolo e pai do rock’n’roll, Elvis ficou para a história mais pelo ícone que representa do que pela música em si. Apaixonados por Elvis, como todos que começaram a fazer música estimulados pelo nascimento do rock’n’roll, os Beatles tornaram-se mito ainda nos anos 1960 – com seu denso trabalho autoral, numa discografia consideravelmente longa para seus meros oito anos de atividade no mercado fonográfico.

Se John Lennon era a alma dos Beatles, Paul McCartney era a música. E é com isso que há quase 50 anos o inglês James Paul McCartney encanta platéias mundo afora. Considerado o mais musical dos Beatles, e o mais melodioso da dupla Lennon & McCartney, Paul é responsável por inúmeras das maiores pérolas da banda. Em brilhante carreira solo há exatos 40 anos, desde o fim dos Beatles, Paul acumula extensa discografia – que inclui todos os dis…

24 ÁLBUNS PRA MANJAR MAIS QUE O SUFICIENTE SOBRE POST-ROCK

24 álbuns pra manjar mais que o suficiente sobre post-rockTudo o que era pra ser rock, mas não é
A história do gênero começou entre o finalzinho dos anos 80 e começo dos anos 90 e, como qualquer estilo, teve altos e baixos. De um tempo pra cá, no entanto, voltou a pipocar nos fones alheios, principalmente por causa de serviços como o Spotify, que disponibilizou várias playlists de post-rock. Meus amigos, por exemplo, adoram ouvir o som enquanto trabalham, embora não saibam exatamente o que estão ouvindo. Devo ter deixado, por descuido e não por maldade, alguns nomes importantes fora da lista. IsisMONO65daysofstatic e outros tantos. Por isso convido você a acrescentar outras bandas nos comentários. Com certeza será bem enriquecedor pra mim e para os outros leitores. Comecemos então definindo o que é post-rockO termo foi utilizado pela primeira vez em março 1994, batizado pelo jornalista Simon Reynolds, na resenha do álbum Hex, da banda Bark Psychosis, para a revista britânica Mojo. Doi…